SiBi-UFPR participou do 13º Encontro SophiA Biblioteca

O Sistema de Bibliotecas participou do 13º Encontro SophiA Biblioteca, que ocorreu nos dias 20 e 21 de setembro de 2018 na cidade de São Paulo/SP, Brasil.  O SiBi foi representado pelos bibliotecários Lucas Henrique Gonçalves e Pedro Paulo Aquilante Junior e pela bibliotecária Karolayne Costa Rodrigues de Lima.

(da esq. para a dir.) Lucas, Karolayne e Pedro participaram do encontro nacional do software de gestão de bibliotecas adotado pelo SiBi-UFPR

O SophiA Biblioteca é o software utilizado na UFPR para a gestão do acervo das bibliotecas, permitindo o cadastro e catalogação de materiais e cadastro e gerenciamento de usuários, bem como as mais diversas operações necessárias ao SiBi, como tarefas de busca, empréstimo, devolução, etc.

Durante o evento, realizado em São Paulo, os três puderam saber mais sobre as últimas novidades do software, prestigiaram apresentações sobre as experiências de instituições com o SophiA e participaram de treinamentos.

No próximo período, Lucas, Pedro e Karolayne, na medida do possível, vão compartilhar a experiência do Encontro e aprendizado acumulado com outros servidores técnicos do SiBi.

Anúncios

Nova direção do SiBi assume cumprindo decisão do COUN

Por Superintendência de Comunicação Social,

20 de setembro de 2018

Assumiu quarta-feira (19), a direção do Sistema de Bibliotecas (SIBI) da UFPR, Josefina Aparecida Soares Guedes, bibliotecária do quadro da Universidade. A indicação da nova e temporária diretoria foi realizada após deliberação do Conselho Universitário determinar a elaboração de novo regimento para o SiBi, com definições de critérios eleitorais, para a função de direção, em conformidade com as regras que seguem os demais setores e unidades da UFPR.

O início dos processos e os trabalhos da comissão do COUN

Este processo teve inicio em 22 de junho de 2018, com o ofício da reitoria, 386/2018, à então diretora do SiBi. O ofício fazia considerações de que a Reitoria considera que o bom funcionamento do SiBi é estratégico e essencial para o conjunto das atividades acadêmicas da UFPR e que as áreas do conhecimento e suas especificidades exigem um trabalho colaborativo entre os Setores de Ensino e os profissionais responsáveis pela gestão das informações. Contudo, a administração tinha percebido dissintonias na gestão do SiBi que mostravam uma tendência de isolamento institucional e desrespeito as resoluções dos conselhos superiores da UFPR.

Dentre os fatos, foram registrados, por exemplo, a não prestação de contas das políticas do SiBi, ações administrativas e de sua execução orçamentária. O ofício da Reitoria mostrou que pedidos de informações formulados pela PROPLAN e pela PRPPG foram ignorados ou não atendidos. Evidenciou, ainda, “contraordens” dadas pela direção do SiBi a decisões das plenárias de Conselhos, medidas demasiadamente centralizadas nas compras de acervos e de bases de dados, bem como problemas nas relações com setores de ensino da universidade.

Finalmente, a reitoria destacou que todo esse isolacionismo tinha relação com o modo como os processos eleitorais internos do SiBi vinham sendo formulados historicamente – com regras flutuantes e variadas ao longo de cada consulta, ao aparente sabor das circunstancias que permeavam o momento do pleito, com critérios não paritários e censitários nos pesos dos votos e, sobretudo, desprovidos de auditagem institucional.

Desta forma, o Reitor constituiu uma comissão de membros do COUN, formada por diretores de setor, servidores técnico-administrativos e estudantes, para que no prazo de 45 dias, apresentasse um relatório contendo um diagnóstico e encaminhamentos diante da situação. Depois de uma série de diligências e após duas prorrogações do prazo para entrega do relatório final, o relatório veio para discussão na plenária do COUN, no dia 10 de setembro de 2018.

A sessão e a proposta de novo regimento

A sessão do COUN durou aproximadamente cinco horas. Discutiu unicamente o relatório apresentado pela comissão (acesse e leia a íntegra do relatório da Comissão do COUN). Após longos debates, o relatório da comissão foi aprovado por ampla maioria (29 votos a favor e 07 contrários).

O relatório elaborou diagnóstico detalhado sobre as ações da antiga diretoria do SiBi e propôs uma série de encaminhamentos. O principal deles foi a elaboração de um novo regimento do sistema, substituindo aquele atualmente vigente que data do ano de 1990 (e no qual não havia previsão alguma de eleições). O novo regimento deverá ser entregue no prazo de 90 dias, prorrogáveis por mais 90. Nesse novo regimento, devem ser instituídas regras que aperfeiçoem a transparência das ações e decisões do SiBi, bem como melhorem a sua relação com os setores de ensino e com a administração central. Foi ainda deliberado que nesse regimento deve ser institucionalizada uma forma democrática de escolha das chefias, sem critérios voláteis e com a necessária institucionalidade, evitando-se soluções improvisadas, corporativas e informais.

Até a aprovação desse regimento, e em face do final do mandato de quatro anos da antiga direção do SiBi (que terminou em 18 de setembro), é que assumiu a nova diretoria interina, Josefina Aparecida Soares Guedes.

Fizeram parte da Comissão do COUN os professores Horácio Tertuliano dos Santos Filho, Vera Karam de Chueiri, Edivaldo da Silva Trindade, Marcos Wagner da Fonseca; os técnico-administrativos  Mariane de Siqueira e Valter Antonio Maier; e os acadêmicos Giovani Viero dos Santos e Lucas Antoczecen Kulik.

*Reproduzido do UFPR

Nova área de templates no Portal da Informação e outros informes

Confira os informes abaixo e deixe de temer as normas da ABNT em trabalhos acadêmicos

1) Templates para os editores de texto Microsoft Word e LibreOffice para download: http://www.portal.ufpr.br/normalizacao. Os templates estão com a formatação toda pronta. Basta abrir o arquivo e digitar seu trabalho!

2) Serviço de orientação oferecido pelas Bibliotecas: procure a biblioteca do seu curso para tirar dúvidas sobre a normalização de trabalhos acadêmicos.

3) Todas as modalidades de usuários das bibliotecas podem utilizar-se do serviço de orientação. Ou seja, NÃO é restrito aos pós-graduandos, como muita gente imagina. Graduação, especialização, pós-graduação, intercambistas, servidores docentes, servidores técnico-administrativos, etc., todo mundo com vínculo pode acessar o serviço. E na graduação, não é restrito aos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs): pode-se tirar dúvidas de normalização para qualquer trabalho da vida acadêmica.

4) No caso de servidor docente (professor), havendo interesse, pode verificar junto da biblioteca relacionada ao curso/departamento a viabilidade de uma capacitação em grupo para a turma de uma disciplina, curso, grupos de docentes, etc.

5) Eventualmente, as bibliotecas do SiBi-UFPR também podem oferecer cursos de normalização diretamente ao público.

6) Check-list para auxiliar na conferência da normalização: antes de entregar a versão final do seu trabalho, verifique se os elementos pré e pós textuais estão apresentados corretamente, acessando http://www.portal.ufpr.br/normalizacao.

7) No universo dos trabalhos acadêmicos, saiba mais especificamente sobre a entrega de teses e dissertações: http://www.portal.ufpr.br/teses_servicos.

8) A Página do SiBi-UFPR no Facebook vem postando materiais de apoio na normalização. Além de normalização, também dicas no desenvolvimento de diferentes trabalhos acadêmicos. Acompanhe: https://www.facebook.com/sibiufpr/.

Treinamentos do Portal de Periódicos da CAPES também ocorrem em julho

Ainda há cursos on-line disponíveis para inscrição na semana de 09 a 14/07, diariamente, e depois nos dias 30 e 31/07!

treinamentos_2018_pp_capes

Se passou o 1º semestre e você não conseguiu participar em nenhum momento, devido às atribulações do período de aulas, pode aproveitar a folguinha das férias de julho e fazer o curso on-line do Portal de Periódicos da CAPES. Com isso, se capacitando para melhor utilizar um dos mais importantes recursos de estudo e pesquisa oferecidos pela UFPR à comunidade acadêmica.

Acesse a página de cronograma e inscrições: http://bit.ly/2E6g5wC

Conheça o Programa

O Programa possui uma oferta diária de datas e horários, de segunda-feira a sábado. No geral, o treinamento dura um total de 3 (três) horas. Na primeira parte, são demonstradas as ferramentas e recursos gerais do Portal. Na segunda parte, as pessoas são apresentadas à uma ou mais bases de conhecimento que compõem o Portal, com explicação do que se trata as mesmas, suas formas de pesquisa e especificidades.

Dica Importante

De preferência, não escolha o treinamento apenas levando em consideração a data e horário do treinamento. Cada data/turma tem um ícone de um indicador (seta) apontado para baixo. Clique sobre ele e acesse o PDF denominado ‘Programação do Treinamento’. Escolha para se inscrever numa data/horário que as bases de conhecimento da segunda parte estejam voltadas às suas demandas: assuntos de interesse, linhas de pesquisa, preocupações acadêmicas em projetos, disciplinas que está cursando, etc.

Inscrições

As inscrições são individuais e devem ser realizadas diretamente na área de Treinamentos do Portal. Para solicitar a inscrição, a pessoa precisa ter um cadastro ativo no recurso Meu Espaço, que é bastante fácil de fazer. Acessando a página da área de treinamentos, isso é melhor explicado. Mas, em caso de dúvidas, você já sabe: procure a biblioteca da UFPR mais próxima!

Se após realizar um treinamento, você quiser reforçar o conteúdo da parte geral e/ou continuar se capacitando em outras bases específicas de seu interesse, basta se inscrever em outras turmas. O número de inscrições para uma mesma pessoa é ilimitado. Aproveite o quanto desejar!

Acesse a página de cronograma e inscrições: http://bit.ly/2E6g5wC

SiBi, NAPNE e estudantes dialogam sobre acessibilidade na UFPR

2018_06_22_Roda_de_Conversa_Acessibilidade (7p)Em 21 de junho de 2018, o Grupo de Trabalho de Acessibilidade e Sinalização, uma das comissões de trabalho e gestão existentes no Sistema de Bibliotecas da UFPR, realizou o evento Roda de Conversa sobre Acessibilidade em Bibliotecas.

A proposta foi de reunir servidoras e servidores do SiBi, junto de pessoas convidadas, com integrantes do NAPNE UFPR – Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais e estudantes da UFPR com deficiência. Trouxeram a nós considerações gerais sobre as dificuldades das pessoas com deficiência na sociedade; relatos sobre a construção da legislação e políticas públicas de inclusão nos últimos anos, em especial, nas universidades federais; e mais especificamente, as dificuldades encontradas pelos estudantes com deficiência na vida acadêmica, e particularmente nas bibliotecas.

O objetivo, com o compartilhamento de experiências e diálogo com o SiBi, foi de reforçar a busca das bibliotecas em aprofundar a inserção nas políticas inclusivas.

2018_06_22_Roda_de_Conversa_Acessibilidade (2p)

As pessoas que compartilharam suas experiências e conhecimento foram: Prof. Laura Ceretta Moreira, do Setor de Educação e coordenadora do NAPNE; Wagner Bittencourt, cego, mestre em Filosofia e servidor técnico no NAPNE; Bruno Santos Ramos Cerdan, cadeirante, estudante da graduação de Psicologia; e Elisane Conceição Alecrim, surda, estudante da graduação de Letras Libras.

Agradecemos a contribuição de todas e todos!

2018_06_22_Roda_de_Conversa_Acessibilidade (6p)Um especial agradecimento a pessoas que deram suporte técnico a Roda de Conversa. Às estudantes Ana Claudia da Silva Prado e Lais Ponciano de Andrade, integrantes da Agência Ziip – Identidade Institucional, projeto vinculado ao curso de Tecnologia em Comunicação Institucional. As fotos são de autoria delas, que também registraram o evento em vídeo, garantindo assim o registro para a memória do NAPNE e SiBi-UFPR. E à Priscila e ao Vagner, intérpretes de Libras, que fizeram esse trabalho lindo de tornar possível às pessoas que não dominam Libras em se comunicar com as pessoas surdas.

Por uma UFPR construída e planejada de maneira igualitária e inclusiva a todas e todos!

Se gostar da ideia, clique e confira o nosso registro também no:

FACEBOOK

INSTAGRAM

Mostra Cinema em Movimento faz sua passagem pela Reitoria da UFPR

A mostra itinerante Cinema em Movimento, do projeto Circuito Universitário de Cinema, faz a sua passagem pelo campi curitibano da Universidade Federal do Paraná – UFPR. São 3 filmes, reunidos pela temática transversal dos direitos humanos. Após as sessões, são promovidos debates com mediação de acadêmicos e pesquisadores e pessoas ligadas a movimentos sociais, culturais e de direitos humanos.

A mostra é aberta a todo o público, não exigindo vínculo com a UFPR o qualquer outra universidade, e a participação é gratuita.

O projeto é uma realização da MPC Filmes. Se desejar saber mais sobre a proposta da mostra Cinema em Movimento, clique aqui.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

25 de Junho, segunda-feira as 18h30. Local: Campus Reitoria da UFPR – Sala 1111. Nunca Me Sonharam, de Cacau Rhoden. Nunca Me Sonharam nos convida ao diálogo sobre a realidade do Ensino Médio nas escolas públicas do Brasil. Na voz de estudantes, gestores, professores e especialistas, o filme questiona: como nós, enquanto sociedade, estamos cuidando e valorizando a qualidade da educação oferecida aos jovens na fase mais sensível e transformadora da vida deles?

Trailer: https://youtu.be/KB-GVV68U5s Continue lendo “Mostra Cinema em Movimento faz sua passagem pela Reitoria da UFPR”

Alunos de Design criam livros infantis adaptados a crianças surdas ou com baixa visão

24/05/2018

Por Camille Bropp

Dez livros adaptados para crianças em fase escolar com baixa visão ou com surdez, criados por alunos da graduação em Design Gráfico da UFPR, foram apresentados nesta quarta-feira (20/05) durante uma aula da disciplina optativa de Livro Infantil Adaptado, em Curitiba. As obras foram pensadas nas necessidades destes dois grupos de crianças e, ao fim do semestre, serão doadas a escolas da capital que oferecem educação inclusiva. Além de terem sido elaborados conforme orientações de estudos da área, os livros foram testados nas escolas, de forma que os recursos pudessem refletir a expectativa dos pequenos.

Outra orientação para a produção das obras foi a preferência por histórias da cultura brasileira. Assim, a maioria das histórias foram baseadas em lendas do folclore nacional (especialmente de origem indígena e nordestina). Houve também adaptação de um best seller infantil, o livro Flicts, de Ziraldo, lançado em 1969, e histórias originais. Dos dez livros, seis são voltados a crianças surdas e quatro a crianças com baixa visão.

Livros adaptados a pessoas com baixa visão: “O Lagarto Carbúnculo”, sobre história do folclore gaúcho; e “A Lenda da Mandioca” e “A Lenda de Xivi, Tupã & a Lua”, inspirados em histórias de origem indígena. Fotos: Marcos Solivan/Sucom-UFPR

As obras exploram recursos que ajudam a despertar o interesse das crianças. Por exemplo, texturas, cores e contornos fortes para as crianças com baixa visão; e expressões bem marcadas nas ilustrações de personagens e vocabulário adaptado às palavras da Língua Brasileira de Sinais (Libras) para as crianças surdas.

Atrativos

“Foi bem gratificante, mesmo com todo o trabalho que deu”, contou o estudante Mateus Bonn, coautor do livro A Lenda da Mandioca, específico para crianças com baixa visão. Para explorar o sentido tátil das crianças, Letícia Lippe e ele pensaram em usar penas e outros materiais com textura, aproveitando o mote das vestimentas indígenas. Também usaram contornos bem marcados e alto contraste entre as ilustrações e o fundo. Continue lendo “Alunos de Design criam livros infantis adaptados a crianças surdas ou com baixa visão”

Coleção de livros infantis alerta crianças e pais sobre os perigos da tecnologia

16/05/2018

Uma entrevista com a bibliotecária da UFPR que se tornou autora de livros sobre cyberbullying e vício digital

Por Carolina Ghilardi,
Jornal Comunicação

“Praticamente tudo foi escrito pelo smartphone”. É o que conta a bibliotecária Rosilei Vilas Boas, ou Rosi, como é conhecida. Ela é funcionária da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e escreveu uma coleção de quatro livros infantis sobre a relação das crianças com a tecnologia. Lançada em 2016, a série foi produzida em parceria com duas colegas: a jornalista Cassiana Pizaia e‎ a psicóloga Rima Awada Zahra.

Rosi tem ainda outros projetos de escrita: dessa vez, sobre as crianças refugiadas que vêm ao Brasil com a família (Foto: Carolina Ghilardi)

A Coleção Crianças na Rede é destinada às crianças e aos pais e aborda temas como os perigos da Internet, cyberbullying e vício tecnológico. Recebeu esse nome por expressar todas as redes em que as crianças devem estar envolvidas – a rede escolar, familiar, de amigos e do bairro, não apenas a rede Web. “Nós entendemos que é somente vivenciando todas essas redes que a criança vai conseguir se inserir na sociedade e ter um papel de protagonista”, explica Rosi.

Hoje, Rosi atua como bibliotecária na Biblioteca de Ciências Biológicas, e carrega consigo a experiência de ter atuado em bibliotecas escolares e em websites da área de Educação nos últimos 30 anos. Além de contar sobre os livros e projetos, ela faz um alerta aos pais sobre os assédios aos quais as crianças estão suscetíveis na web.

Confira abaixo a entrevista realizada pelo Jornal Comunicação com a bibliotecária e escritora:

JC: Qual é o objetivo dos livros “Crianças na Rede”? O que vocês querem passar, tanto para as crianças quanto para os pais?

Rosi: Eu acredito que o livro trata de uma temática bem atual, sobre o que a sociedade anda discutindo e não consegue muita resposta. É difícil segurar uma criança, discipliná-la para que ela vivencie tudo, ensinar que ela tem que brincar, andar de bicicleta, jogar futebol, passear, ir ao parque – além de usar a internet, joguinhos e tudo mais. As crianças têm que perceber que há muito mais coisas para fazer e que existe tempo para tudo. Então, a nossa ideia era mostrar, tanto para a criança, quanto para os educadores, para os pais e para a sociedade em geral, que dá para fazer tudo, que uma coisa não pode anular a outra, que uma constrói a outra. A formação da cidadania de uma pessoa tem que vir das diversas experiências. Continue lendo “Coleção de livros infantis alerta crianças e pais sobre os perigos da tecnologia”

Resultado do SiBi na autoavaliação da UFPR em 2017

Nessa semana foi publicado o Relatório de Autoavaliação da UFPR 2017, trabalho realizado pela Comissão Própria de Avaliação (CPA). Um dos itens contemplados pelo relatório é o Sistema de Bibliotecas que, seguindo a tendência dos anos anteriores, foi avaliado positivamente.

SiBi - Avaliação do SiBi 2017

Segundo a sua introdução, o Relatório “sistematiza os resultados das pesquisas aplicadas em 2017 a comunidade acadêmica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), visando cumprir o compromisso de aferir os resultados das atividades da instituição, conforme determina sua missão, prestando as devidas contas aos seus públicos: alunos, servidores docentes e técnico-administrativos, e a sociedade, objetivando a transparência de suas ações e observando o impacto de suas atividades.” (p. 7).

Como avaliação geral do SiBi, o Relatório aponta que “o Sistema de Bibliotecas tem sido bem avaliado nas últimas pesquisas institucionais, e nesta edição repetiu-se o mesmo sucesso das anteriores, com mérito de uma avaliação entre bom e excelente se consideradas as notas e médias finais.” (p. 49).

grafico 2
Fonte: elaborado pelo SiBi com base nos relatórios de 2015, 2016 e 2017.
  • Em 2015, 23% avaliaram o SiBi como “Excelente”, e 43% como “Bom/Adequado”, totalizando 66% de avaliações positivas.
  • Em 2016, 25% como “Excelente”, e 42% como “Bom/Adequado”, somando 67% de avaliações positivas.
  • Em 2017, 28,85% avaliaram como “Ótimo” e 45,18% como “Bom”, totalizando os 74,03% de avaliações positivas. Ou seja, houve um aumento de 7% das avaliações positivas do SiBi pelos respondentes. Para essa última avaliação foram coletadas 4.475 respostas.

Para o SiBi, esse relatório é um importante instrumento para a condução e a melhoria dos produtos e serviços ofertados pelas bibliotecas da UFPR. Nesse sentido, o relatório referente a 2017 destaca dois pontos:

  • “O SiBi tem apresentado avaliação satisfatória nas últimas pesquisas, indicando satisfação por todos os públicos-alvo, acima de 65%; chama a atenção, no entanto, que mais de 25% dos servidores técnico-administrativos não soube opinar sobre o Sistema [de Bibliotecas].” (p. 121)
  • “De um modo geral docentes e discentes [de pós-graduação] avaliam de forma bastante positiva os serviços de acesso ao acervo da biblioteca e portais de periódicos. Identifica-se a necessidade de uma melhor divulgação quanto ao acesso remoto ao acervo da biblioteca e portais de pesquisa.” (p. 104)

> CLIQUE AQUI e acesse o Relatório de autoavaliação da UFPR 2017 na íntegra <

Saiba mais sobre o que é a auto-avaliação institucional em outro post nosso:

Resultado do SiBi na última auto-avaliação da UFPR

 

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑